Archive for Março, 2004

Inauguração do Centro de Trabalho da Organização do Vale do Sousa e Baixo Tâmega do PCP

Março 22nd, 2004


A Organização Regional do Vale do Sousa e Baixo Tâmega do Partido Comunista Português inaugurou o novo Centro de Trabalho do PCP para esta região – no âmbito do 83.º aniversário do PCP – com a participação de JERÓNIMO DE SOUSA (da Comissão Política e do Comité Central do PCP), no passado dia 20 de Março, sábado, às 15h30.

Numa iniciativa eivada de grande simbolismo – pois tratou-se da inauguração de uma estrutura após quase 30 anos da destruição pelas forças reaccionárias do antigo Centro de Trabalho do PCP, em Penafiel – participaram cerca de 200 militantes e amigos num lanche-convívio que serviu para reafirmar a força do PCP na região e para adquirir fundos para pagar um Centro de Trabalho que vai servir para dinamizar a actividade política numa região formada por 8 concelhos (Amarante, Baião, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel), 226 freguesias com uma população de meio milhão de habitantes.

Armando Mesquita, responsável pela Organização Regional do Vale do Sousa e Baixo Tâmega e membro da Comissão Concelhia de Penafiel, Miguel Correia, membro da Direcção da Organização Regional do Vale do Sousa e Baixo Tâmega e membro da Comissão Concelhia de Paredes, e Jerónimo de Sousa, foram os oradores para oficializar esta tão importante iniciativa.
Armando Mesquita apelou à militância de todos os camaradas para fazer face às despesas do Centro de Trabalho e às tarefas mais imediatas do Partido, nomeadamente, a campanha de actualização de dados dos militantes – que já teve como efeito o recrutamento de 31 novos militantes na região desde o início do ano – e à campanha para as Eleições Europeias, cuja cabeça de lista é a eurodeputada Ilda Figueiredo.

A Miguel Correia coube a tarefa da caracterização da Região do Vale do Sousa e Baixo Tâmega, onde responsabilizou a política de direita realizada pelos governos do PSD, PS e PP pelos atrasos estruturais e assimetrias na região. Aproveitou para realçar o papel do PCP para a promoção e desenvolvimento da região que será reforçado com o novo Centro de Trabalho.
Jerónimo de Sousa, numa intervenção que emocionou todos os presentes, saudou todos os camaradas pelo esforço e dedicação que tornou possível a realização de um sonho dos militantes do Partido – ter uma sede própria.

Isto demonstra que a militância está viva e que os ideais comunistas mantêm-se firmes perante todas as ofensivas do capitalismo, que teima em propagandear a ideia que “o comunismo morreu” e que “o capitalismo é o fim da História” utilizando todos os instrumentos ao seu dispor. Um desses instrumentos é a comunicação social dominada por grupos económicos capitalistas que silencia e deturpa a mensagem do PCP. Por isso, este antigo operário metalúrgico exorta todos os comunistas a virem para a rua, a participarem nas manifestações, greves e iniciativas – única forma de debelar a desinformação dos órgãos de comunicação social – dando o seu inestimável contributo ao combate a uma política que quer fazer “um ajuste de contas com a Revolução do 25 de Abril”. O novo Código Laboral – que retira direitos fundamentais aos trabalhadores e condiciona a actividade sindical – a Lei do Financiamento dos Partidos – que quer impor um único modelo de organização partidária e que visa acabar com as fontes de financiamento do PCP (sobretudo, a Festa do Avante!) – a par de uma política acelerada de privatizações, que aumenta o fosso entre ricos e pobres, constituem exemplos paradigmáticos do governo mais reaccionário desde o 25 de Abril. De facto, cabe aos comunistas, os grandes obreiros de Abril, a tarefa de esclarecer os cidadãos que as condições de vida pioram de dia para dia devido às políticas levadas a cabo pelos sucessivos governos, e que a única forma de combater esta ofensiva é dando mais força ao PCP.

De punho erguido e cantando em uníssono a “Avante, camarada” os comunistas da Região do Vale do Sousa e Baixo Tâmega demonstraram a sua concordância com as palavras proferidas pelos vários oradores e provaram a sua dedicação ao Partido que tem como objectivo o fim da exploração do homem pelo homem e a instauração de uma sociedade socialista, rumo ao comunismo.

A Organização Regional do Vale do Sousa e Baixo Tâmega do PCP
22 de Março de 2004

Jantar do 83.º aniversário do PCP

Março 8th, 2004

A Comissão Concelhio de Paredes do Partido Comunista Português realizou no passado dia 6 de Março, num restaurante de Mouriz (Paredes) o jantar comemorativo dos 83 anos do PCP. Os discursos ficaram a cargo de Armando Mesquita, responsável pela Organização Sub-Regional do Vale do Sousa e Baixo Tâmega do PCP, e de João Torres, membro da Direcção da Organização Regional do Porto (DORP) e do Comité Central do PCP e também presidente da União dos Sindicatos do Porto.

Armando Mesquita lembrou a importância da comemoração do aniversário do PCP (fundado em 6 de Março de 1921), instigando os cerca de 140 militantes e amigos, a continuarem a lutar pelo Partido dos trabalhadores. Aproveitou para convidar os presentes a participarem no comício-festa em Gaia (Hard-Club) com a participação de Carlos Carvalhas, no próximo dia 14 de Março que servirá para apresentar a todos os militantes do distrito do Porto os candidatos às Eleições para o Parlamento Europeu, que tem como cabeça de lista, a eurodeputada Ilda Figueiredo, bem como a participarem na inauguração do Centro de Trabalho da Organização Vale do Sousa e Baixo Tâmega do PCP, sedeado em Penafiel para o próximo dia 20 de Março com a participação de Jerónimo de Sousa, deputado à Assembleia da República e membro da Comissão Política do Comité Central do PCP.

João Torres no seu discurso evocou o património de luta do PCP, a sua resistência ao fascismo, reafirmando os valores do marxismo-leninismo enquanto corrente doutrinária de um Partido que luta todos os dias ao lado dos trabalhadores portugueses. Evocando a sua larga experiência sindical, referiu que “estamos perante o Governo mais reaccionário desde o 25 de Abril”, dando o exemplo da Lei dos partidos (que visa diminuir a força e actividade do PCP), as alterações vigentes com o novo Código de Trabalho (que retira direitos aos trabalhadores e condiciona a actividade sindical) e a sucessiva política de privatizações (que concentra a riqueza nos grandes grupos económicos). Lembrando que estamos no ano em que se comemora os 30 anos do 25 de Abril, exorta os comunistas a continuarem a sua luta para que os valores de Abril não sejam esquecidos.
Depois dos discursos, os presentes cantaram em uníssono o tema “Avante, camarada” – hino oficial do Partido Comunista Português.

A Comissão Concelhia de Paredes do PCP
8 de Março de 2004