Archive for Outubro, 2010

O Candidato Francisco Lopes foi recebido por centenas de apoiantes em Paredes

Outubro 31st, 2010
O candidato à Presidência da República apoiado pelo PCP esteve hoje no concelho de Paredes. O dia de Francisco Lopes começou com uma recepção calorosa em Parada de Todeia. Recebido pelo presidente da Junta de Freguesia Álvaro Pinto e por centenas de camaradas e amigos, que encheram o auditório da freguesia numa clara manifestação de apoio à única candidatura patriótica e de esquerda.
“Francisco avança com toda a confiança” foi o slogan entoado em uníssono e em alto som pelos presentes na cerimónia. Depois do discurso de boas-vindas e de apoio à candidatura por parte de Álvaro Pinto, o candidato comunista à Presidência da República no seu discurso que surpreendeu alguns dos presentes pela sua vivacidade, abordou os problemas que afectam os portugueses, cada vez mais reféns da política de direita levada a cabo pelos sucessivos governos do PS, PSD e CDS.
Referindo-se à questão do Orçamento de Estado, Francisco Lopes criticou fortemente as consequências da sua aprovação, afirmando que este “é o orçamento dos especuladores e dos banqueiros contra os trabalhadores e o povo”, sem deixar de lembrar que os outros candidatos à Presidência da República manifestaram o seu apoio a favor do orçamento “que vai agravar ainda mais as condições de vida dos portugueses”.
Afirmou a necessidade de inverter o rumo das linhas políticas que têm vindo a asfixiar o povo enquanto os grupos económicos e os especuladores vêm os seus lucros aumentar. Fez o apelo para que o povo não aceite o discurso que não há nada fazer, mas que lute e dê apoio à sua candidatura, a única que incorporando os valores de Abril se assume capaz de trazer justiça social e desenvolvimento ao país. E por isso “cada apoio, cada voto conta como um contributo capaz de protagonizar uma alternativa a favor do povo português”.

Depois de Parada de Todeia, o candidato rumou a um restaurante de Baltar, onde esperavam centena e meia de apoiantes.
Nesta iniciativa, Cristiano Ribeiro, o responsável pela Comissão Concelhia de Paredes e membro da Direcção da Sub-Região do Vale do Sousa e Baixo Tâmega do PCP, tomou a palavra para manifestar o apoio inequívoco do PCP da região à candidatura de Francisco Lopes, aproveitando para abordar algumas lutas levadas pelo Partido, desde a intervenção junto dos trabalhadores de empresas que desrespeitam os direitos laborais até à questão das portagens nas SCUT, passando pela questão dos ataques à Saúde pública e aos encerramentos das escolas.
Francisco Lopes reafirmou os propósitos da sua candidatura sem deixar de criticar as opções do Governo que “em vez de porem Portugal a produzir, geram desemprego e injustiça social. Não podemos aceitar que haja mais de 700 mil desempregados e não se aproveite as potencialidades do país”. Interrompido por diversas vezes pelo entusiasmo dos comensais, o candidato continuou afirmando que “os sucessivos governos não sabem aproveitar os recursos naturais e humanos que temos e só sabem aplicar cortes àqueles que mais necessitam de protecção”. Contudo, “há um caminho alternativo que assenta não no discurso das inevitabilidades mas na luta dos trabalhadores e do povo”.
Por isso apelou à participação na manifestação da Função Pública no próximo sábado, na manifestação de 20 de Novembro contra a realização da cimeira da Nato em Portugal englobada na campanha “Paz sim. Nato não!” e na Greve Geral agendada pela CGTP para o próximo 24 de Novembro.
Depois do concelho de Paredes, Francisco Lopes participou numa iniciativa de apoio à sua candidatura em Campo (Valongo) e num jantar de jovens apoiantes no Centro de Trabalho da Boavista do PCP, no Porto.

Por intervenção do PCP Governo reconhece razão aos trabalhadores da Petrogal

Outubro 29th, 2010

O Grupo Parlamentar do PCP questionou o governo sobre o cumprimento da Lei e dos direitos dos trabalhadores na sequencia do processo de luta naquela empresa em Abril.
Na altura, como forma de repressão sobre os trabalhadores que fizeram greve, a empresa descontou ilegalmente nos salários dos trabalhadores valores relativos a dias em que os trabalhadores estiveram ao serviço.
Agora, o governo, em resposta à pergunta do PCP, reconhece razão aos trabalhadores e informa da intervenção da ACT perante a empresa.

VER : DORP

PSP impede direito consagrado na Constituição da República

Outubro 29th, 2010

«Vamos continuar a pintar murais»

A limitação ao exercício do direito fundamental de propaganda política, onde estão incluídos os murais políticos, tem vindo a ser uma prática corrente e preocupante reincidente por parte da actuação abusiva das forças de segurança e de outras estruturas.

No passado dia 13 de Outubro, cinco jovens estudantes, quatro raparigas e um rapaz, da Escola António Arroio, em Lisboa, foram detidos por agentes da PSP por estarem a pintar um mural, junto à rotunda das Olaias, com o lema «Vem para a luta, por uma escola pública e democrática», campanha que a JCP está a desenvolver por todo o País (como demos notícia na semana passada).

Segundo contaram ao Avante! três dos intervenientes deste cada vez mais usual e insólito caso, os agentes da autoridade insultaram os jovens, obrigando-os, apenas as raparigas, a despirem-se na casa de banho da esquadra, sob o olhar e a brutalidade de uma polícia, com o pretexto de poderem estar na posse de estupefacientes.

Situação que apenas visou humilhar as militantes comunistas, uma vez que os polícias nem mostraram interesse em revistar algumas das mochilas das estudantes, acto solicitado pelas próprias, após terem estado algumas horas na entrada do edifício, para mostrarem que não tinham nada a esconder e que apenas queriam ir para casa.

Os pais, que foram chamados para irem buscar os filhos (os que tinham menos de 16 anos), indignados com esta situação, chegaram mesmo a apresentar queixa na esquadra e esperam agora uma resposta por parte das forças de autoridade, que deveriam pugnar pelo respeito dos cidadãos e não violar frontalmente a lei com a agravante de manifestarem por ela óbvio desprezo e desrespeito.

Mas este «incidente» não demoveu os jovens de acabar o que tinham deixado por fazer e, dois dias depois, voltaram ao local. Mais uma vez, em profundo desrespeito pelas leis, as autoridades policiais voltaram a limitar e impedir o exercício de direitos, tendo apreendido, novamente, o material usado na pintura do mural, e identificado as pessoas. «Vamos continuar a pintar murais, até porque a lei está do nosso lado», afirmou um dos jovens.

Denunciar e resistir

 Mas os incidentes não ficam por aqui. Na passada sexta-feira, em Leiria, um grupo de jovens comunistas que colava cartazes da Campanha Nacional do Ensino Secundário foi abordado por dois agentes da PSP, que, sem se identificarem, à paisana, impediram, violentamente, as colagens. Quando um dos jovens se justificou, defendendo que podiam estar ali, os agentes agarraram-no pelo pescoço (apresentando várias marcas), algemaram-no e meteram-no dentro de um carro em direcção à esquadra para identificação. Assim vai a democracia em Portugal.

A JCP promete continuar a denunciar estes casos e, acima de tudo, resistir, reforçando a sua acção e afirmação política. «Continuaremos a colar cartazes, a distribuir documentos e a pintar murais, continuaremos a mobilizar a juventude pela defesa dos seus direitos e aspirações», salientam os jovens comunistas, lembrando que «o direito à propaganda política não está indissociável da luta de gerações pelo direito à liberdade de expressão».

Foram vários os jovens comunistas que reuniram num restaurante do centro da cidade de Paredes com o objectivo de afirmar o ideal comunista e abordar os problemas que afectam a juventude portuguesa

Outubro 26th, 2010
 
Foram vários os jovens comunistas que reuniram no dia 23 de Outubro num restaurante do centro da cidade de Paredes com o objectivo de afirmar o ideal comunista e abordar os problemas que afectam a juventude portuguesa, em especial os jovens trabalhadores do Concelho.
Bruno Santos, natural da Freguesia de  Rebordosa no Concelho de Paredes e um dos ativistas da JCP, no seu discurso político não deixou de abordar as principais lutas da JCP no país e no mundo e convidou todos os presentes a participarem na Greve Geral marcada para 24 de Novembro pela CGTP e na manifestação agendada para o próximo dia 20 Novembro contra a Cimeira da NATO em Portugal, no âmbito da campanha “PAZ SIM, NATO NÃO”.
 
 
 
 
 

Jantar convívio dia 23 de Outubro (Sábado) em Paredes

Outubro 20th, 2010

 

Juventude Comunista Portuguesa 

Jantar convívio dia 23 de outubro no restaurante BLACK GINGA em Paredes junto ao parque José Guilherme. 

Para marcações e mais informações até ao dia 21 de outubro :

 Bruno Santos(912374406)

 Miguel Dias(914202909) 

Ementa: Entradas, Arroz de feijão, Churrasco Misto, bebidas, café- 12,50 cravos

Junta-te a nós para mais uma vez reforçarmos a luta, «porque só com a luta é possível transformar a sociedade em que vivemos e construir a que queremos» 

Almoço de apoiantes com presença de Francisco Lopes a 31 de Outubro, Domingo-12h30

Outubro 19th, 2010

Francisco Lopes em Sessão Pública no Auditório da Junta de Freguesia de Parada de Todeia a 31 de Outubro

Outubro 19th, 2010

Francisco Lopes em Paredes a 31 de Outubro

Outubro 19th, 2010

Francisco Lopes, candidato à Presidência da República apoiado pelo Partido Comunista Português, estará no Concelho de Paredes no próximo dia 31 de Outubro (Domingo). O programa da visita será o seguinte:

11h – Sessão Pública na Junta de Freguesia de Parada de Todeia
12h30 – Almoço com apoiantes em Baltar (Restaurante “O Zangão”)
14h30 – Caravana e visita à festa de São Simão

Os interessados em participar no jantar poderão inscrever-se junto dos membros/responsáveis pelas organizações locais do PCP.

PCP solicita ao Governo por intermédio do Ministério de educação esclarecimento sobre Escola Básica de Parada de Todeia

Outubro 19th, 2010
Ver documento original:pg462-xi-2-parada

 

SCUT:Já todos sabemos que nestas vias não existem alternativas.

Outubro 14th, 2010
 

 

Intervenção do Deputado

Jorge Machado

Sessão Plenária de 14 de Outubro de 2010

 Senhor Presidente,

Senhores Deputados,

Já todos sabemos que a introdução de portagens nas SCUT Norte Litoral, Grande Porto e Costa da Prata é uma tremenda injustiça.

Já todos sabemos que nestas vias não existem alternativas.

Já todos sabemos que os índices socioeconómicos do distrito do Porto, Braga, Viana do Castelo e Aveiro estão abaixo da média nacional e a piorar com a grave crise económica e social que vivemos.

Assim, o debate de hoje não serve para discutir se os critérios estipulados pelo PS para a introdução de portagens são ou não cumpridos. É obvio que PS e PSD “atiraram os critérios às urtigas”.

O debate de hoje é para saber quem cumpre ou não com a palavra dada. É para saber quem diz uma coisa nos distritos afectados e o seu contrário aqui na Assembleia da República. É para saber quem verdadeiramente defende os interesses das populações, dos pequenos e médios empresários e quem permite a cobrança de portagens que, além de ser um autêntico roubo, vai acarretar graves consequências para os trabalhadores e para o tecido produtivo.

Senhor Presidente,

Senhores Deputados,

O PSD foge deste debate como o diabo da cruz. Por muito que PSD não queira assumir, a verdade é que PS e PSD entenderam-se às “mil maravilhas”.

 

Assim, não é de estranhar que o PSD tenha sido o único partido a opor-se a que a discussão desta iniciativa se realizasse no passado dia 8, como o PCP propôs. Não obstante, o PCP propôs e conseguiu o agendamento para o dia de hoje, obrigando assim o PSD a assumir as suas responsabilidades.

Senhor Presidente,

Senhores Deputados,

Chegou a hora de revogar este Decreto-lei e pôr termo a esta injustiça.

É hora de acabar com este disparate.

Além da injustiça que estas portagens representam, importa referir que: as portarias aprovadas pelo Governo não obtiveram o obrigatório parecer prévio da Comissão Nacional de Protecção de Dados; reina a confusão por falta de informação e capacidade de resposta aos utentes e existem dúvidas quanto à data de início de cobrança de portagens.

Ontem mesmo, o tribunal central administrativo do norte deu provimento à providência cautelar apresentada por autarcas do PS e PSD para impedir a cobrança de portagens.

Se nos distritos afectados, PS e PSD impugnam as portagens nos Tribunais, então aqui, na Assembleia da República, PS e PSD têm que revogar esta legislação.

Que não restem quaisquer dúvidas, se o projecto de lei do PCP for rejeitado, então PS, PSD e CDS são igualmente responsáveis pela cobrança de portagens nestas SCUT e as suas acções e declarações nos distritos afectados não passam de pura hipocrisia.

O PCP honra e cumpre os seus compromissos. Não viramos a cara à luta e dentro e fora da Assembleia da República lutámos e iremos continuar a lutar contra esta injustiça.

Aos movimentos de utentes, a todos aqueles que participaram nas diversas acções de luta queremos dizer que sem os protestos, as manifestação, as marchas lentas e os buzinões dos utentes, as portagens já seriam uma realidade há muito tempo.

Se foi a luta que travou este processo, também será pela luta que o venceremos.

Vamos à luta.

Disse.

VER documento original:PJL 417 Revoga o DL 67-A-2010 que introduz portagens nas SCUT do norte litoral (14-10-10)