Posts Tagged ‘Privatização’

Sessão pública de esclarecimento com a participação da Eurodeputada Ilda Figueiredo “A água é de todos e não um negócio de alguns”

Setembro 17th, 2011

Parlamento Europeu: Apoio às Cooperativas de Água no Concelho de Paredes

Março 25th, 2010

Em diversas freguesias do concelho de Paredes, no norte de Portugal, o abastecimento de água às populações é assegurado por Cooperativas de Água.

Estas Cooperativas, construídas e mantidas ao longo dos anos graças ao esforço e dedicação das populações locais, têm realizado vários investimentos de forma a promover o abastecimento de água com elevados padrões de qualidade, numa lógica social, garantindo a preservação e a universalidade de acesso a este bem essencial, sem restrições de natureza económica.

Recentemente, o abastecimento de água em parte do concelho foi concessionado a uma empresa privada multinacional (Veolia Environment). Em consequência desta concessão, as tarifas aumentaram consideravelmente, chegando o preço final pago no consumidor a ser 3 a 4 vezes superior ao praticado pelas Cooperativas de Água.

Em face do exposto, pergunto à Comissão:

1. Que programas e apoios comunitários poderão ser utilizados para apoiar as Cooperativas de Água, tendo em conta a sua relevância local e a importante função social que asseguram? Concretamente, que apoios poderão ser mobilizados para apoiar a realização por parte destas Cooperativas, de novos investimentos no domínio do abastecimento de água às populações?

2. Dispõe a Comissão de algum estudo sobre as consequências da privatização dos serviços de abastecimento de água, nomeadamente no que diz respeito ao aumento dos preços das tarifas e consequente exclusão de acesso a este bem público, bem como à qualidade dos serviços prestados?

Pergunta apresentada no dia 24/03/2010 junto do Parlamento Europeu pelo Deputado CDU João Ferreira (GUE/NGL)

O documento original encontra-se aqui.

PCP: Em Defesa da Água Pública no Concelho de Paredes

Março 6th, 2010

Reunião com os dirigentes das cooperativas de abastecimento de água de Paredes

O Eurodeputado Comunista João Ferreira e os membros da Comissão Concelhia de Paredes do PCP, reuniram com os dirigentes das Cooperativas de Abastecimento de Água Domiciliária do Concelho de Paredes.

Durante a reunião os dirigentes das cooperativas enumeraram os vários ataques a que estão sujeitos por parte da empresa Privada Veolia (Águas de Paredes, SA), com a conivência descarada da Câmara Municipal de Paredes que, desde 2001, concessionou a esta empresa, através de negociatas, e sem autoridade para tal, o abastecimento e a drenagem de água de todo o Concelho, ignorando por completo os subsistemas já em funcionamento pertencentes às Cooperativas e Associações construídas pelas populações locais a partir do 25 de Abril.

Os dirigentes das cooperativas informaram que a água que abastece os seus associados é de melhor qualidade e 5 vezes mais barata do que a água fornecida pela Veolia, e apelaram à união de todos os Paredenses contra a Privatização da Água, acusando ainda a Câmara de Paredes de exercer pressões ilícitas e de tomar atitudes terroristas quando autorizam a empresa Veolia a edificar, violando a Lei, ETAR´s junto dos seus pontos de captação de água para os obrigar a entregar as infra-estruturas o que o povo construiu.

Sessão Pública em Defesa da Água Pública

Após uma reunião entre o Eurodeputado João Ferreira e os Presidentes das Cooperativas de Água do Concelho, na sede da Junta de Freguesia de Parada de Todeia, realizou-se uma Sessão Pública em defesa de Água Pública.

Nesta sessão, ficou bem patente a necessidade de defender o acesso à água como um bem público, que nunca deve servir os interesses económicos. Mais uma vez denunciou-se a política da Câmara Municipal de Paredes sobre este assunto, que concessionou um bem universal à multinacional Veolia, empresa que pretende acabar com todos os subsistemas de fornecimento de água no concelho, em prejuízo dos cidadãos. O Eurodeputado João Ferreira concluiu dizendo que a empresa Privada só quer o ”lombo” neste negócio, daí a inexistência em grande parte do Concelho de um sistema de saneamento digno do nome, provocando graves atentados ambientais, poluindo os solos, e tornando a água subterrânea imprópria para consumo e o Rio Sousa num esgoto a céu aberto.